Seguidores

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Pista do Ibirapuera está quase pronta para Meeting do Brasil


Mais Esportes - (- Atualizado Ana Paula de Freitas, especial para a GE.NetSão Paulo (SP)
Fernando Dantas/Gazeta Press
Pista do estádio Ícaro de Castro Mello será inaugurada no Meeting Internacional de Atletismo, no dia 22 de maio
Parte integrante do Complexo Esportivo Constâncio Vaz de Guimarães, a pista do estádio Ícaro de Castro Mello está quase pronta. Palco do Meeting Internacional de Atletismo, no dia 22 de maio, a pista do Ibirapuera passou pela sua maior reforma desde sua inauguração, em 1974, e faz os retoques finais para a etapa mais importante do atletismo no país.
A reforma pela qual a pista passou faz parte das obras financiadas pelo Governo do Estado de São Paulo que, desde dezembro do ano passado, interditou o Complexo Esportivo do Ibirapuera para a sua primeira reforma geral. Além da pista do estádio Ícaro de Castro Mello, o Ginásio do Ibirapuera, o Ginásio Mauro Pinheiro e as piscinas do complexo foram contemplados com a reestruturação.
No estádio Ícaro de Castro Mello, a pista de atletismo foi ampliada e agora tem 100m, 30m a mais do que antes. O inusitado piso azul tem maior durabilidade e é importado de Berlim (Alemanha), avaliado como classe 1 pela IAAF (Associação Internacional das Federações de Atletismo).
Fernando Dantas/Gazeta Press
O novo piso da pista tem durabilidade de 10 anos
"É uma pista igual à de Berlim, é para ter uma durabilidade de, no mínimo, dez anos. A previsão é entregar essa parte da pista e das arquibancadas no Meeting, marcado para maio. Só falta fazer as demarcações dela. Acredito que até semana que vem a área já está pintada. É uma pista de última geração", garante Alexandre Marquês de Oliveira, engenheiro de produção da Recoma, empresa responsável pela obra.
Na parte da pista, além da pintura, ainda falta terminar a cobertura do piso. Já o gramado está praticamente pronto e necessita de uns acertos finais, como corte e mais uma cobertura. Na reforma, o campo foi adaptado às regras normas da Fifa e pode receber jogos oficiais. Além disso, foi implantado um sistema de irrigação mais moderno.
O estádio recebeu também nova iluminação, com 3.000 lux, que permite a transmissão de imagens em HD. Todos os assentos das arquibancadas foram trocados e serão numerados, sendo que o setor das cadeiras cobertas ainda está sendo reformado. Os banheiros foram reformados e também adaptados para os cadeirantes.
A reinauguração do estádio Ícaro de Castro Mello será no dia 22 de maio, domingo, durante o primeiro dia do Meeting de Atletismo no Brasil. Depois, no dia 26 de maio, a organização da IAAF e o evento desembarcam no Rio de Janeiro (RJ), sede da continuação da etapa nacional.
Informações retirada do site:  www.gazetaesportiva.net

domingo, 24 de abril de 2011

Inscrições Abertas: Corrida Libbs Corpore 4 Km e 15 Km


Estão abertas as inscrições da Prova LIBBS-CORPORE.

Percurso quase totalmente plano, largando na Ponte Estaiada na distância de 15km. Junto uma prova de 4km. Ambas as provas acumularão pontos para o Ranking Corpore de Atletas e de Equipes, e será prova substitutiva para o Ranking Corri Todas 2011.

Solução logística para as 2 distâncias sem qualquer sobreposição. Atletas dos 15km largam em um dos lados da pista e chegam no outro (no pórtico da Largada dos 4km), e atletas dos 4km largam no outro lado da pista e chegam no pórtico da Largada dos 15km.

A patrocinadora que dá o nome ao evento é a LIBBS que tem apoiado nosso Espaço Mulher em alguns eventos.

Não percam tempo as vagas são limitadas.
Data:  29 de Maio
Largada e chegada na Ponte Estaiada - Marginal do Rio Pinheiros
Horário das largadas 7:00 hs


Inscrições no site da Corpore: http://www.corpore.org.br/  ou na sede da Corpore
à Rua Bento de Andrade, 444 – Jardim Paulista

Associados Corpore: R$ 55,00       
Não associados: R$ 70,00       

Informações retirada do site da corpore: www.corpore.org.br

quinta-feira, 21 de abril de 2011

10 erros comuns antes e durante uma prova

Matéria extraída na revista contra relógio edição 185 - Fevereiro 2009 - Tomaz  Lourenço  

Já corri dezenas de maratonas e meias, mais de uma centena de provas com menor distância, além de algumas ultras, de 50 a 89 km. Por isso, me considero bastante experiente, já tendo presenciado situações das mais diversas nas corridas, entre elas muitos erros de corredores, especialmente os mais novatos, mas também de gente bastante “rodada”. Com o intuito de ajudar os leitores para que problemas sejam os menores possíveis durante as competições (e até em treinos), apresento, a seguir, uma lista de 10 situações que devem ser evitadas ou devidamente corrigidas, nos dias que antecedem uma prova e no próprio dia, assim como outras 10 no transcorrer da competição. Mas deve haver outras atitudes que corredores igualmente experientes possam e queiram destacar e por essa razão a revista fica, desde já, aberta a observações dos leitores nesse sentido, e que se prontifiquem a enviá-las (por email) para a CR.

ANTES



1) NÃO PROCURAR SE INFORMAR SOBRE A CORRIDA. Ao contrário de anos atrás, quando se ia para uma prova sem muitas informações, e as surpresas aconteciam, atualmente o corredor tem facilidade para saber sobre os eventos, através de publicações e pelos inúmeros sites voltados ao segmento. A CR procura cumprir esse papel e está sempre disponível para esclarecer dúvidas sobre provas não apenas no Brasil, como também do exterior.


2) NÃO DESCANSAR O SUFICIENTE NA SEMANA. Apesar de existir toda uma teoria sobre treinamento, envolvendo várias fases de preparação, na prática sabe-se que a maioria dos corredores não realiza um planejamento de médio e longo prazo, com exceção, talvez, quando se tem em vista uma maratona ou um evento semelhante. Dessa forma, se a prova é de 10 km ou uma meia-maratona, o que se faz é realizar treinos mais rápidos e mais curtos ou um pouco mais longos e não tão fortes, para essas duas situações citadas como exemplo. Não é nada "científica" tal preparação, mas é corriqueira, porque acaba funcionando de alguma forma. Só que muitos costumam manter ou até intensificar os treinos na semana da prova, para não perder condicionamento, o que geralmente é um erro, pois se vai chegar na competição não devidamente descansado. Uma regra que os mais experientes logo constatam é a seguinte: treinos excelentes durante a semana, prova ruim no fim de semana. Portanto, para a próxima competição, opte por fazer a última semana leve, mesmo porque está provado que não se perde condicionamento em alguns poucos dias de descanso.


3) FAZER UM CAFÉ DA MANHÃ DIFERENTE DO HABITUAL. Esta recomendação está em todos os lugares e já é um lugar comum. Mas ao contrário de outras que vem sendo contestadas ou colocadas em dúvida (pela Contra-Relógio), como a necessidade de alongamento imediatamente antes de começar a correr ou a recomendação para se beber um copo d´água a cada 20 minutos, esta continua valendo e deve ser seguida, para que não se tenha surpresa antes da largada ou durante a prova. Com o agravante que banheiros costumam estar sempre cheios na área da concentração e raramente são encontrados no percurso...


4) USAR ROUPA OU TÊNIS NOVO. Outro alerta que se lê em todos os sites, revistas etc, mas curiosamente não costuma ser levado em conta por grande parte dos corredores, seja porque o desejo de estrear algo novo bate mais forte, ou porque não se considera tal recomendação como muito importante. É verdade que hoje em dia a vestimenta para a prática da corrida é algo especializado para dar o maior conforto possível ao esportista, assim como os tênis parecem que já vem "pré-amaciados", tal a qualidade que apresentam. Mas, mesmo assim, não vale a pena correr o risco de sofrer um incômodo durante a prova, por conta da roupa ou do calçado, recomendação válida especialmente para as mais longas, onde o problema tem mais chance de aparecer.


5) IR PARA A PROVA, COM POUCA ANTECEDÊNCIA E NÃO SABENDO PRECISAMENTE O LOCAL.Em várias cidades os participantes já conhecem bem onde as corridas costumam acontecer, mas não se pode esquecer que mudanças de trânsito, até por conta do evento, são sempre possíveis de ocorrer, daí este alerta, que merece especial atenção quando se trata de provas em outras cidades. Só quem já chegou atrasado para uma largada sabe o quanto é desagradável. Efetivamente, não é uma experiência que valha a pena passar.


6) NÃO PASSAR VASELINA. OUTRA RECOMENDAÇÃO CONHECIDA E MUITAS VEZES ESQUECIDA. Ela é indicada notadamente para os dias mais frios, para os corredores mais pesados e quando da participação em percursos longos. Além dos mamilos, sugere-se passar vaselina também entre coxas e na parte genital. Alguns gostam de usar o produto nos pés, igualmente para evitar assaduras, mas é necessário atenção para não exagerar, para que os pés não fiquem "dançando" na meia/tênis.


7) ALONGAR POR MUITO TEMPO. Este hábito já está arraigado entre inúmeros corredores, ainda mais que várias são as provas que fazem uma seção de alongamento pouco antes do tiro de largada. Como a revista mostrou em edições anteriores, esse "puxa-estica" imediatamente antes de começar a correr não traz qualquer ajuda (para evitar lesões ou para correr melhor) e pode até prejudicar a performance. O indicado é que se faça um simples aquecimento, através de trote, ou que se comece sem forçar, para ir acostumando a musculatura.


8) FICAR BEBENDO BASTANTE LÍQUIDO ANTES DA LARGADA. Da mesma forma que os alongamentos antes do começo de uma corrida, a falta do que fazer leva muita gente a ocupar o tempo ingerindo líquidos, para começar a prova "bem hidratado". O problema é que as pessoas exageram, e o resultado é a necessidade de parar no percurso, mesmo que a distância seja de apenas 10 km, para urinar. Antigamente acontecia de algumas corridas não garantirem um bom abastecimento durante o trajeto, mas agora o que se vê é até o contrário, com inúmeros postos de água e isotônico, daí não ter muito sentido essa preocupação com a hidratação prévia.


9) ESQUECER DE AMARRAR FIRME O TÊNIS. Naturalmente que todo mundo sabe da importância de amarrar bem o tênis, ainda mais que se precisa prender o chip. Acontece que mesmo quando essa operação é feita com cuidado, os cadarços podem se soltar durante a competição, atrapalhando o corredor e o fazendo perder algum tempo. Isto acontece especialmente quando está chovendo ou quando se transpira muito (ou se joga bastante água no corpo), fazendo com que os cadarços se amoleçam e soltem. A solução é muito simples: basta dar um nó no cadarço, após o laço. Também existe um dispositivo para prender firme o laço, enquanto alguns preferem colocar para dentro do tênis os cadarços.


10) SE POSICIONAR O MAIS NA FRENTE POSSÍVEL. É lógico que todo mundo quer sair perto da linha de largada, para não perder tempo no momento em que o congestionamento é maior, como acontece cada vez mais em nossas corridas, especialmente as nas grandes cidades. Só que esse empenho para se posicionar na frente acaba sendo pouco producente e até perigoso, a não ser que você seja efetivamente um corredor rápido. O tempo que se perde nas largadas costuma ser inexpressivo e, além disso, as provas costumam considerar os tempos líquidos, contados apenas a partir do momento em que a pessoa passa pelo tapete da largada. E a saída entre os mais rápidos, pode acarretar uma queda e muito provavelmente alguns xingamentos ou empurrões, por estar atrapalhando os demais.


DURANTE


1) COMEÇAR A PROVA MUITO FORTE. Este aspecto por vezes está relacionado ao 10º quesito da primeira parte da matéria, ou seja, muita gente larga em ritmo acelerado por ter se posicionado na frente e, com medo de ser atropelado, faz os primeiros metros "voando", mas logo cansa. Mesmo para quem corre em bom ritmo, mas não é um atleta de elite, o recomendável é sair sem forçar demais, achando sua velocidade ideal logo depois e até guardando um pouco para a parte final da competição, para uma chegada triunfante.


2) ESTABELECER UM DETERMINADO RITMO RÍGIDO. Conversa comum antes de largadas é sobre o ritmo que cada um pretende fazer. É algo até razoável tal previsão ou aspiração, mas ela precisa ser devidamente considerada, para não acabar prejudicando o resultado final do corredor, para mais ou para menos. Vamos explicar! Ao se entrar numa prova com o objetivo de fazê-la em tantos minutos por quilômetro, checando no relógio cada passagem de km, acaba se ficando escravo do ritmo, mas pode-se estar num dia ruim (cansado por alguma razão) ou a prova não estar oferecendo boas condições pelo percurso ruim ou alta temperatura. Dessa forma, não será possível cumprir o ritmo almejado e assim deve-se encarar a situação, correndo-se na velocidade "possível" naquele dia. O contrário também acontece, ou seja, começa-se a prova em determinado ritmo, mas se constata que está sobrando energia (pelas razões inversas anteriormente apresentadas) e então é o caso de esquecer o tempo previsto (e as recomendações do treinador) e correr como o corpo está aceitando e pedindo no momento, quem sabe até para conseguir o recorde pessoal na distância.


3) ERROS AO PEGAR E TOMAR ÁGUA. A questão do abastecimento parece algo simples e efetivamente é, mas os iniciantes por vezes se atrapalham. A começar pela procura logo da primeira bancada de água, sempre a mais congestionada, quando normalmente muitas outras estão pela frente. E depois de pegar o copo a recomendação é se afastar do local, para facilitar para os outros e não se chocar com os mais (ou tão) afoitos. Outra recomendação é quanto à forma de beber a água do copo. Muitos ainda abrem completamente o lacre e ao tentarem beber, além de desperdiçarem boa parte, acabam se engasgando. O correto é fazer um furo na tampa, com o dedo, e ir tomando de golinhos. E nem precisa tomar tudo, podendo o restante ser jogado na cabeça, para refrescar.


4) FICAR CORRENDO EM ZIGUE-ZAGUE. Esta recomendação é óbvia, uma vez que qualquer pessoa sabe que o mais lógico é o corredor não sair de seu caminho, desviando para um lado ou outro, porque acaba cortando a frente dos outros, com risco de quedas, além de prejudicar seu próprio rendimento, uma vez que acabará fazendo uma distância superior à aferida pelo evento. Apesar disso, alguns fazem essa "operação", quando da proximidade de postos de abastecimento, ou para conversar com um amigo, ou para ser fotografado, ou para sair na TV...


5) NÃO PROCURAR TANGENCIAR AS CURVAS. Aqui a questão é técnica e se resume a alertar para que a pessoa corra a distância efetivamente medida, resultado de uma aferição feita por pessoal gabaritado e que realiza o melhor tangenciamento possível das curvas, com o objetivo de procurar encontrar a menor distância. Ou seja, quem corre certo, completa o mesmo trajeto do medidor, enquanto os outros fazem alguns metros mais.


6) LEVAR GEL PARA UMA PROVA DE 10 KM. Citamos o gel de carboidrato, mas pode ser um outro suplemento qualquer. Efetivamente em eventos de curta distância não é necessária qualquer suplementação, para repor a energia perdida, bastando água e eventualmente o isotônico fornecido pela organização. Mesmo porque a absorção por parte do organismo demora algum tempo, daí tal ingestão não fazer qualquer diferença.


7) NÃO PARAR OU REDUZIR AO SENTIR MAL ESTAR. Correr significa se esforçar para vencer determinada distância e mesmo que não se trate de uma pessoa competitiva, algum empenho sempre será necessário. Isso poderá significar algum sofrimento durante a competição, mas deve-se separar bem o que são dores musculares ou o cansaço natural, de um mal estar repentino, como tontura, dor no peito, vontade de vomitar. Nestes casos, não se deve titubear: é parar e ir caminhando, ou pelo menos reduzir o ritmo. Se tudo voltar ao normal, a corrida continua, caso contrário procurar ajuda médica o quanto antes.


8) NÃO RELAXAR OMBROS E BRAÇOS. Pode parecer bobagem esta recomendação, na medida em que o que manda numa corrida são as pernas (e os pulmões). Mas correr muito tenso é prejudicial para o rendimento do atleta, daí se indicar que de tempos em tempos o corredor procure dar uma relaxada nos ombros e braços, e também não fique olhando fixo para frente, mas aproveitando para trocar idéias com alguém ao lado, vendo a paisagem, brincando com a platéia (quando existe...).


9) ALONGAR QUANDO SURGEM CÂIBRAS. O tema não tem unanimidade, até pelo contrário, com muita gente recomendando que se alongue quando as câibras aparecerem durante uma competição. Mas fisiologistas e fisioterapeutas comentam que tal atitude nada ou pouco ajuda, sendo mais producente simplesmente procurar caminhar até as contrações pararem ou diminuírem. Melhor ainda se a pessoa conseguir aplicar gelo no local.


10) ACABAR A PROVA, PARAR E ALONGAR. Assim como antes de começar a correr se sugere um prévio aquecimento, para depois também se indica um desaquecimento, que pode se dar através de caminhada ou mesmo um trote. Nada de parar imediatamente e começar a alongar. Esta atitude é perigosa para o sistema cardiorrespiratório porque o coração, que vinha trabalhando em ritmo acelerado, não muda automaticamente de ritmo ao se terminar a prova e, dessa forma, acaba bombeando mais sangue do que o corpo passa a necessitar. E alongar com o corpo muito quente pode levar a um esticamento exagerado das fibras musculares, com risco até de rompimento. Portanto, deixe o alongamento para depois de caminhar por uns tempos e se hidratar.

Matéria extraída na revista contra relógio edição 185 - Fevereiro 2009 - Tomaz  Lourenço  

terça-feira, 19 de abril de 2011

Equipe 4x100 m feminina do Brasil leva o bronze nos EUA

A Seleção Brasileira feminina 4x100 m conquistou a medalha de bronze, neste domingo(19/04), na competição mais tradicional de revezamento dos Estados Unidos, o Mt. Sac Relay, realizado na Califórinia.

Katsuhico Nakaya, técnico do Brasil, escalou a equipe com Rosemar Coelho Neto, Vanda Gomes, Ana Claudia Silva e Rosângela Santos, com Evelyn dos Santos como reserva. A equipe nacional marcou 43s79, ficando atrás do Kersee All Stars (43s10) e da equipe A do Comitê Olímpico americano (43s72).

As meninas do revezamento 4x100 m seguem nos EUA para um período de treinos específicos de revezamento no Centro Olímpico do país, em Chula Vista, na Califórnia.

No próximo dia 28, a Seleção compete no Penn Relay Carnival, no estado americano da Pensilvânia.

fonte site www.terra.com.br

domingo, 17 de abril de 2011

Queniano vence Maratona de Londres; Marílson é 4º

O queniano Emmanuel Mutai venceu neste domingo a Maratona de Londres, com o tempo de 2h04min40s, à frente de seus compatriotas Martin Lel e Patrick Makau, que brigaram pela segunda colocação até o último metro da prova, com vantagem para Lel.
O queniano Emmanuel Mutai venceu a prova masculina.
Foto: Getty Images
O brasileiro Marílson Gomes dos Santos ficou com a quarta colocação, com o tempo de 2h06min34s, superando até mesmo sua própria expectativa de completar a prova em menos de 2h08min. Ele foi o único corredor não africano no pódio, que contou ainda com o etíope Tsegaye Kebede, campeão em 2001.
A prova feminina da Maratona de Londres também foi dominada por uma queniana. Mary Keitany não deu chances às suas adversárias e completou os 42 quilômetros de prova em 2h19min19s. A segunda posição ficou com a russa Lillya Shobukhova, que marcou 2min20s15. .
fonte : site www.gazetaesportiva.net
http://www.gazetaesportiva.net/noticia/2011/04/atletismo/queniano-vence-maratona-de-londres-marilson-fica-em-quarto.html

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Como foi: XII Meia Maratona Internacional Corpore

Neste último domingo, dia 10 de Abril, ocorreu na Cidade Universitária a XII Meia Maratona Internacional Corpore com corridas de 21,1 Km e 5 Km. A largada foi às 7:30 horas e tivermos uma arena montada na pista de atletismo  do CEPEUSP. Os vencedores nos 5 km foram, no masculino: Rafael Dos Santos (14min37) e no feminino: Silmara Izidoro  Modesto (18min52).
Na Meia Maratona os ganhadores foram, no masculino: Fábio do Nascimento (1h08min34) e no feminio: Elisabeth Esteves (1h21min04).
O pódio ficou assim:


Meia Maratona ( 21,1 Km)
Feminino:


1ª Elizabeth Esteves de Souza (01:21:02.46)
2ª Beatriz G. S. Nascimento(01:23:02.26)
3ª Maria José Alves(01:24:29.33)
4ª Jaciane Barroso Araujo (01:25:32.97)
5ª Edneusa de Jesus Santos Dorta (01:26:04.56)

Masculino:
1ª Fábio do Nascimento(01:07:59.33)
2ª Adriano Bastos (01:08:33.39)
3ª Francisco das Chagas Bezerra ...(01:08:56.17)
4ª Naval Freitas(01:09:25.04)
5ª Fabio Ramos dos Santos (01:09:46.07)


5 Km


Feminino:
1ª Silmara Izidoro Modesto(18:52.78)
2ª Ana Preda(19:00.35)
3ª Olivia de Fatima Franco Ferna ...(19:21.12)
4ª Flaviana Ferreira Chung(19:26.08)
5ª Ana Luiza dos Anjos Garcez(20:01.31)


Masculino



1ª Rafael dos Santos(14:37.94)
2ª Bruno Paulino de Souza(14:50.00)
3ª Domingos Jesus Freitas(14:55.54)
4ª Clayton Elias Gomes (14:59.44)
5ª Marildo José Barduco (15:08.83)



Fonte e maiores informações: www.corpore.org.br


Neste evento acabei chegando tarde, apesar de não ter enfrentado trânsito , como o que , enfrentei no mês passado, na abertura Corpore que tinha transito próximo da entrada da Cidade Universitária. Mais uma vez , tivermos a chance de fazer uma prova na USP e fugir um pouco daquele circuito manjado em torno do parque do Ibirapuera, desta vez achei que a câmera digital estava com a bateria carregada e na hora de tirar as tradicionais fotos, para minha surpresa, estava totalmente descarregada, fico devendo as fotos deste evento.
Aconteceu outro fato que não havia acontecido antes, larguei seis minutos depois do inicio da  largada, devido ao fato de ficar procurando um banheiro decente, a Corpore ficou devendo desta vez no quesito banheiro.
Como no mês passado, fiz o meu melhor tempo nos 5 km neste mesmo percurso, estava disposto a fazer o meu melhor para conseguir um tempo próximo dos 20m14 , ultrapassei muita mais muita gente mesmo para conseguir atingir um bom tempo, passei por muitos atletas, é impressionante o tanto de atletas que caminham  nestas provas. diante de tantas dificuldades e imprevisto , consegui fazer os 5 km em 21m16 , ficando somente há um minuto do meu melhor tempo.
A arena da Corpore foi montada no CEPEUSP, e sempre que vou lá, me lembro da ótima experiência de em 1996 ter participado do Projeto Xerox , projeto destinado a detecção de talentos e na época supervisionado  pelo ex atleta e técnico Adauto Domingues.
Confira o resultado da prova de 5 km e 21,1 km .






Medalha:
5 Km





21 Km




Camiseta


Altimetria
21 Km

domingo, 3 de abril de 2011

Filmagem e software são armas para Brasil voltar a brilhar no 4x100 m


O revezamento 4x100 m masculino do Brasil ficou fora do pódio nas duas últimas edições dos Jogos Olímpicos e Campeonatos Mundiais de Atletismo. Em preparação para o Mundial da Coreia do Sul, em agosto, a equipe nacional treina utilizando a tecnologia para ganhar os centésimos de segundo que a têm afastado das medalhas nas competições mais importantes da modalidade.
No último camping de treinamento realizado pela Confederação Brasileira de Atletismo, no Centro Olímpico do Ibirapuera, os sete velocistas brasileiros que atualmente têm índice para integrar a equipe nacional no Mundial da Coreia do Sul e nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara treinaram sob a supervisão do técnico Katsuhico Nakaya e tiveram todos os movimentos filmados e analisados.
A intenção é que os atletas vejam quais erros cometem com mais frequência e, assim, possam diminuir o tempo de reação ao ver o companheiro adentrar a zona de passagem do bastão e deixar esse movimento mais eficiente.
"Esse recurso serve para você observar a posição da mão, se a passagem propriamente dita está sendo feita de maneira correta, e se o atleta está reagindo visualmente no momento certo", disse Nakaya. "Quando existe uma reação boa, existe uma aproximação boa de um atleta para o outro, e aí essa passagem do bastão tem que ser precisa e rápida", complementou.
A partir dos próximos campings de treinamento, Nakaya planeja utilizar o Dart Fish, um software americano de análise de movimentos que ajudará a comissão técnica a saber quanto tempo exatamente cada corredor demora para passar o bastão ao companheiro e quais variações das técnicas podem ser aplicadas para que o Brasil volte aos pódios.
No último Campeonato Mundial, disputado há dois anos, em Berlim, a equipe nacional ficou na sétima colocação com o tempo de 38s56, mais de um segundo atrás da Jamaica, campeã com o tempo de 37s31. A medalha de bronze foi para o time do Reino Unido, que marcou 38s02.
Em Osaka 2007, o Brasil foi o quarto colocado com 37s99, apenas nove centésimos de segundo atrás do Reindo Unido, que ficou com a medalha de bronze. O ouro foi para os Estados Unidos, com o tempo de 37s78.
Nas últimas duas Olimpíadas o resultado também ficou abaixo do esperado. Em Pequim 2008, o time brasileiro foi o quarto colocado, com o tempo de 38s24, nove centésimos atrás do terceiro colocado Japão. A equipe da Jamaica conquistou a medalha de ouro, ao quebrar o recorde mundial, com 37s10.
Já em Atenas 2004, a equipe que defendia a prata conquistada em Sidney 2000 foi apenas a oitava colocada, com 38s67. A medalha de bronze foi da Nigéria, que marcou 38s23.
"Infelizmente por uma questão de centésimos não estamos voltando com uma medalha. É sempre assim. Agora chegou o momento de a gente ganhar essa medalha", almejou Nakaya, que assumiu a equipe masculina do 4x100 m após o técnico Jayme Netto ser afastado do esporte por quatro anos pelo escândalo de doping da Rede Atletismo em 2009.
"Até que esse grupo me surpreendeu, não treinava comigo antes. Treinava com o professor Jayme e há algumas diferenças de trabalho, mas assimilaram bem as mudanças. Isso é questão de você trabalhar e praticar", explicou.
No primeiro camping da temporada, encerrado nesta quinta, os participantes foram Nilson André, Sandro Viana, Carlos Roberto Pio, Ailson Feitosa, Gustavo Santos, Basílio de Moraes Júnior e Eric de Jesus.
A expectativa é que no decorrer do ano outros atletas como Vicente Lenílson, José Carlos Moreira, o Codó, e Jefferson Lucindo, vencedor dos 100 m rasos do Troféu Brasil 2010, mostrem força e passem a concorrer pelas vagas na equipe que terá pela frente o Mundial e o Pan-Americanos 2011.
"A gente tem trabalhado com um grupo maior para todo mundo poder seguir a mesma linha de trabalho. A gente sabe que podemos ter algumas alterações no meio do caminho, mas precisamos ter um grupo grande seguindo a mesma linha de trabalho para quem for escolhido saber o que fazer na hora", finalizou Nakaya.
fonte: site terra.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...